Podia ficar olhando pra sempre esta foto de James Mollison

James & Other Apes | James Mollison

Katie | James & Other Apes | James Mollison

Katie me encara firme e fortemente. É inquietante sentir seu olhar me penetrar. Desafiadoramente, ela me incita a pensar sobre muitos assuntos que me tocam desde sempre, mas que há muito deixei guardados na gaveta. Ela os desenterrou.

Katie, Rio, Millie, Kibu, Likasi… Através da lente do Queniano James Mollison me puxaram do fundo de um poço onde me deixei ficar. Agora, sinto-os como meus amigos, escuto suas vozes, gritos e gemidos, mas não súplicas, eles são demasiado genuínos para isso. Palavras cruas e verdadeiras que tornam desnecessário qualquer tom apelativo. Palavras? Sim, palavras, pois ao olhar para todos eles, um por um, escuto as palavras não ditas ao vento, mas claramente audíveis. Ao tentar encará-los de volta tenho medo, vergonha, tristeza, remorso. Sou só mais uma humana medíocre que não tem coragem de gritar por eles. Por eles? Não, por mim. Não, não por nós. Oh céus, não, por todos!

Pumbu  | James &Other Apes | James Mollison

Pumbu | James & Other Apes | James Mollison

“Mas são só macacos”, alguém dirá. Ah, sim, macacos. Lindos gorilas, orangotangos, chimpanzés, bonobos. Belos animais que querem, tanto quanto nós, ser o que foram feitos para ser: animais, livres, naturais, puros, verdadeiros, honestos… Opa! Sentimentos humanos para animais. Sempre achei isso perigoso, e agora me deparo com imagens que, sendo de animais, falam tanto dos humanos… Suas feições extremamente expressivas traduzem alguns dos sentimentos mais viscerais que, como humana, eu possa sentir.

Mas não os vemos apenas enquanto animais, porque nos parecem demasiado humanos, nisso reside o erro. São animais sim, selvagens e crus. E é assim que devem ser vistos, sua beleza, vivacidade e glória reside no fato de serem animais. Talvez essa seja a grande consciência que falte aos seres humanos.

Millie | James & Other Apes | James Mollison

Millie | James & Other Apes | James Mollison

Encará-los para sempre quer dizer enfrentar o tema da violência e crueldade que empregamos contra eles. Seja direta ou indiretamente, pois ao nos ausentarmos do debate, crítica ou enfrentamento contrário as atitudes humanas que maltratam e extinguem esses seres, somos cúmplices e culpados. É essa dor que Katie me aflige! Uma dor muito real: a dor da minha fuga.

*Este trabalho virou livro: James & Other Apes (Chris Boot, 2004) e foi exposto no Museu de História Natural, em Londres. No livro, além dos 50 retratos realizados na África e Ásia, encontramos informações sobre as histórias desses seres.

Sobre Maíra Gamarra

Maíra Gamarra é alagoana, com um pé na Bolívia. Turismóloga, fotógrafa (com bacharelado em Fotografia) e produtora. Vive e fotografa por amor, para aprender e conhecer, ter múltiplas experiências e estar em contato com o mundo em toda a sua diversidade.
Esse post foi publicado em Olhando pra sempre e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s