Podia ficar olhando pra sempre esta foto de Luis Humberto

Delfim Neto | Foto: Luis Humberto

Às vezes eu sinto saudades de Luis Humberto. Ele me alimenta de uma desconfiança construtiva e perguntas que são essenciais para existir. Quando eu chego em uma cidade tomada por um festival promovido pelo mesmo governo que, um ano e meio depois, não consegue devolver moradias às pessoas que perderam tudo nas cheias, eu penso em Luis Humberto. Me conecto à maneira sábia com que ele debate as prioridades do poder e revejo meus desejos de mudança.

Por meio de uma ironia refinada, ele personaliza uma linha de fotógrafo-observador do qual eu sinto muita falta no jornalismo cotidiano. Luis Humberto não deveria ser uma exceção – e não falo em copiar o olhar, mas em se inspirar na postura de investigar as entrelinhas. Por causa disso, as suas imagens sempre me relembram pequenas crônicas visuais de alguém que percebe o mundo e o seu próprio papel dentro dele.

Luis Humberto não interpreta o fotógrafo-ausente. Aquele que finge estar…

Ele materializa em imagens uma urgência de indignação de quem não se vê distante do universo dos outros. Por isso, quando me sinto meio apática, desmotivada, quase anêmica da intensidade de conversar com o mundo, sei que é saudade de Luis Humberto, e corro ao seu encontro o mais rápido possível para regenerar minhas células sanguíneas. Assim volto a respirar – e calmamente recomeço a degustar a sensação de ver a vida além do comodismo das respostas prontas.

Esse post foi publicado em Olhando pra sempre e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Podia ficar olhando pra sempre esta foto de Luis Humberto

  1. leo disse:

    Parabéns pelo site de vocês!
    E ao acima referido, Luís Humberto, pelo conjunto da obra!
    Abs,
    Leo Wen.

  2. Giselle disse:

    Ana, vou mandar esse post pro Luis.
    Acho que ele merece lembrar que sempre, e pra sempre, ele inspira as pessoas a ficarem mais lindas.
    bjs

  3. Prezad@s,

    Estou escrevendo um texto sobre o Luis Humberto. No próximo dia 31 ele recebe o título de professor emérito da Universidade de Brasília. Tive a satisfação de ser convidado por ele para fazer a apresentação da sua vida/obra. Então, navegando encontrei este post. Gostei muito do trabalho de vocês. Quando der, visitem meu site http://www.marcelofeijo.com.br,
    Parabéns!,
    abs,
    do marcelo feijó
    (professor FAC/UnB)

  4. Ana Lira disse:

    Gente,

    Que retornos lindos! Muito obrigada!

    Léo, agradeço pela atenção e também acho que a obra completa de Luis Humberto vale ser vista! Além do lindo livro “Do lado de for a da minha janela, Do lado de dentro da minha porta”, com imagens dele, temos a felicidade de ler as suas considerações sobre fotografia nas obras “Fotografia, a poética do banal”, lançado pela editora da UnB, e “Fotografia, universos e arrabaldes”, lançado pela Funarte por meio da Coleção Luz e Reflexão. Indico tudo =)

    Giselle, seria um prazer enorme saber que o Luis Humberto leu o texto. Ele inspira um monte de gente, com certeza. Ainda lembro do carinho com que as pessoas viram e comentaram o trabalho dele no ano em que ele foi homenageado no Fest Foto Poa, mas não pôde comparecer por questões de saúde.

    Marcelo, bonito saber dessas ações em torno da vida e da obra de Luis Humberto. Queria ler o seu texto depois, se for possível, claro! Estou vendo o seu site neste momento. Vamos nos comunicando =)

    Cheiro em todo mundo!!!

  5. Ana Lira disse:

    Ah, eu indico esse vídeo dele, também!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s