Diário de Bordo – Foto em Pauta – Caminhos Coletivos e Despedida

Por Suelen Pessoa

Eu já havia visto o Pio Figueiroa falando sobre a Cia de Foto em um dos eventos do Foto em Pauta que acontecem ao longo do ano aqui em BH, então muito do que ele disse não era novidade para mim. De qualquer forma, achei bem interessante que a Carol, outra integrante do coletivo, estivesse na mesa também. Ela não falou muito, mas deu umas contribuições importantes sobre “Retiro”, um projeto sobre a cultura judaica do bairro Bom Retiro, em São Paulo, em que ela contribuiu em grande parte.

Pio começou explicando como surgiu o coletivo, em um momento em que todos trabalhavam em jornais, mas tinham uma inquietação em comum com o posicionamento do fotojornalismo àquela altura. Então o início do trabalho deles juntos teve esse viés de negação do fotojornalismo, uma subversão da “busca da realidade” e do modus operandi da imprensa.

João Castilho conversa com a Cia de Foto | Suelen Pessoa

As reflexões sobre o próprio meio, seja ele foto, vídeo, texto, música, sempre foi a tônica do trabalho da Cia de Foto. Para eles, tudo o que produzem é fotografia, pois eles a reivindicam como tal, independente da nomenclatura usual. Porém, como o próprio Pio apontou, a Cia, mesmo “negando” o fotojornalismo, nunca conseguiu se desvencilhar das técnicas de aproach aprendidas na academia, mas é visível que há uma tentativa deles nessa direção de descoberta das especificidades da fotografia contemporânea. Ele destaca que no século XIX existia uma fotografia estática, um retrato estrtuturado, de longa exposição. A foto moderna é a de milésimos de segundos, o ‘momento decisivo’. No contemporâneo existe o conceito de fotografia expandida, que eles exploram em projetos como “Choro”, “Longa Exposição”, “Rostos Possíveis”, que são vídeos já negando esse ‘momento decisivo’.

Para mim, a principal contribuição da Cia de Foto é a discussão sobre a questão autoral. Nenhum dos trabalhos do coletivo é assinado individualmente, e quase nunca ficamos sabendo quem é o autor das imagens de cada um dos projetos do coletivo. Sempre é assinado como Cia de Foto, e eles atendem às demandas dos clientes em equipe, e não individualmente. Isso é um avanço e tanto na questão de trabalhos colaborativos, na minha opinião.

Platéia do Yves Alves | Suelen Pessoa

64 Polegadas

Hoje eu também visitei uma exposição que é de longe a montagem mais linda de todas que eu vi recentemente, chamada 64. O nome é uma homenagem ao grupo f/64 organizado em 1932 por Ansel Adams, Edward Weston, Willard Van Dyke, Imogen Cunningham, entre outros fotógrafos importantes que acreditavam em uma fotografia que captasse a realidade através do menor diafragma possível na câmera de grande formato, o f/64, que fornece a maior profundidade de campo existente. Outra curiosidade do número 64 é que a Hahnemühle produz o maior corte de papel fineart com 64 polegadas, e estava prestes a descontinuar essa linha quando um grupo de fotógrafos resolveu se juntar e pressionar a fábrica a continuar produzindo o Photo Rag neste tamanho. Nessa exposição, chamada 64, todas as imagens foram impressas nesse papel e nesse tamanho. FABULOSO!

Felicidade

Outras ações espalhadas pela cidade me deixaram bastante feliz. Particularmente, gostaria de citar as intervenções que vi acontecendo na rua, como o Estendal “As Paredes tem Ouvidos” (um grande varal fotográfico no meio da rua com imagens de 30 artistas diferentes), as fotos imensas do projeto “Giganto” (afixadas como lambe-lambes em tapumes de obras da cidade) e as projeções noturnas de fotos de iphone feitas pelo pessoal do UaiPhone.

Estendal | Suelen Pessoa

Nesse último dia de atividades da segunda edição do Festival de Fotografia de Tiradentes o clima era de muita alegria. Estavam todos com a sensação de dever muito bem cumprido. Mais uma vez, a organização foi impecável, não notei nenhum deslize em nada e todo mundo era só elogios. Mais uma vez, o Eugênio Sávio (idealizador do evento) está de parabéns por conseguir agrupar tanta gente bacana para tocar um festival tão legal.

Pude notar um enoooorme crescimento do festival do ano passado para esse, tanto no número de pontos de interesse (estandes, fornecedores, receptivo na praça principal da cidade), passando pela programação oficial de palestras, abordagem de tipos diferentes de fotografia (natureza, retrato, foto noturna, iphoneography, gastronomia), quantidade e diversidade de workshops, até na quantidade de participantes, que praticamente triplicou! A cidade esteve bem mais cheia e, pelo menos dos meus conhecidos, todo mundo que veio na primeira edição acabou voltando para a segunda edição e ainda trouxe mais gente!

Projeto Giganto foi uma das novas ações que tomou as ruas de Tiradentes | Suelen Pessoa

Isso é bastante importante também para o comércio da cidade, que vive do turismo e depende de eventos desse tipo para se sustentar. Ainda não é tão grande quanto o festival de Gastronomia e o de Cinema (os dois maiores da cidade), mas as perspectivas são bastante promissoras! Ano passado tínhamos um principal ponto de encontro para as “atividades extracurriculares” (comer e beber, não necessariamente nessa mesma ordem): o Espaço Nitro. Esse ano, além de um Espaço Nitro muito mais bombado, maior, mais bonito, com uma cozinha mais incrementada servindo drinks e comidinhas, ainda tivemos o Espaço da Fototech, com cozinha gourmet, vinhos e cervejas bacanas servidos em um jardim maravilhoso.

Ambos com espaços de exposição, centro de impressão fineart e projeções noturnas. Quem conhece Minas Gerais sabe que nossa sociabilidade é toda centrada no copo, então esses espaços são muito importantes e a interação entre os participantes foi muito grande, com uma imensa troca de contatos e novas relações estabelecidas. Várias atividades fora da programação oficial, várias iniciativas individuais e vários novos amigos e parceiros. Saldo super positivo. Com certeza, o Festival de Fotografia de Tiradentes – Foto em Pauta entrou definitivamente para o calendário de eventos da fotografia brasileira.

=)

Um beijo e nos vemos por aí, em outros festivais!

Suelen Pessoa

Sobre 7 Fotografia

Fotografia estudos discussões
Esse post foi publicado em Diário de Bordo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s