Podia ficar olhando pra sempre esta foto de Mario Cravo Neto

Me peguei pensando ultimamente em como temos (nós fotógrafos e a sociedade como um todo) sido enfáticos na análise e estudo da mulher como “objeto” fotográfico: o corpo, as inquietudes, a força, o desejo. O feminino está cada vez mais vivo na fotografia contemporânea. Talvez a grande problemática em torno do machismo e o boom dos movimentos feministas que vêm lutando pela quebra de preconceitos de alguma forma tem mexido bastante (desde sempre na verdade, mas atualmente de forma mais intensa) com o pensamento fotográfico, tamanha a quantidade de projetos que buscam desmitificar o corpo da mulher e tudo que está por trás do nu real feminino.

Todo esse movimento me fez parar para pensar no homem. Como o homem se vê nessa configuração atual da sociedade? Como o homem se mostra? Como a fotografia tem mostrado o masculino? Na verdade a minha maior dúvida é: onde está o homem e toda sua complexidade na fotografia?

Isso vem me inquietando há algum tempo e por acaso me deparei com essa fotografia de Mario Cravo Neto e várias respostas surgiram assim como um monte de novas questões!

Mario Cravo Neto

Mario Cravo Neto

E parei. Fiquei olhando para sempre esse homem e o seu coração de pedra e toda a simbologia da entrega sem o olhar. É quase como uma fuga de si mesmo. O movimento daquele corpo é quase uma repulsa ao próprio coração. O homem se mostra ali de uma forma tão fria e ao mesmo tempo tão amedrontada que o meu corpo reage de forma contrária aquela “entrega”. Eu não receberia o seu coração. E como é possível ser tão intenso e tão duro simuntaneamente? Será esse paradoxo o norteador do comportamento masculino? Como o homem se vê com o coração na mão?

Às vezes penso que existe tanta cobrança social por um comportamento sóbrio e controlado do homem que a reação tem sido cada vez mais oposta ao que se impõe. Porém, são reações veladas, quase proibidas de serem expostas. Ser gente é difícil. Sentir não é fácil. E como é sentir o nó na garganta quando se diz que homem não chora? Parece um pensamento arcaico, mas está bastante vivo e pulsando em tantos corações de pedra por aí.

O trabalho de Mario Cravo Neto me despertou esses questionamentos. Comecei a fazer uma leitura bem diferente de seus “homens”. Alí, eles estão inteiros, expostos, nús de corpo e alma. Vivendo e sentindo de forma crua. Com a dor, a força, inquietude e toda verdade e medo presentes no íntimo do homem, do ser humano homem. Porque “a vida é foda”, como bem disse o próprio Mário Cravo Neto, e não dá para se esconder disso.

E como é bonito perceber a quebra de tantas amarras. Como é bonito olhar em olhos não mascarados. Como é bonito sentir o homem tão orgânico, vívido. Afinal, ser inteiro é ser humano.

Obrigada Mario Cravo Neto por me fazer enxergar o masculino com olhos tão mais abertos e tão mais cheios de tesão.

Sobre Priscilla Buhr

Fotógrafa, Recife
Esse post foi publicado em Olhando pra sempre e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Podia ficar olhando pra sempre esta foto de Mario Cravo Neto

  1. marcoantoniosilva disse:

    Exercendo o direito de ser sintético: Ducarai!

  2. Roberta Guimarães disse:

    É intetessante Priscilla a abordagem poética e simbólica que Mario Cravo Neto utilizou no trabalho que fez com o candomblé.Essa imagem , por exemplo. tràs na pedra a representação do orixà. São os “Otàs” ,que são os objetos usados nos assentamentos dos orixàs.Eles variam ente pedras e metais e a partir da consagração esses os otàs passam a representar o orixà do iniciando. Grande artista MCN, aliàs, acho que ele abordou a religião africana como Andujar abordou os yanomamis,
    com a força do imaginàrio. Por isso são grandes artistas…

    • MCN é um dos maiores!! Grande artista, grande referência! É muito bonita a forma como ele representa e simboliza os elementos do condomblé, sempre muito delicado e muito intenso.. de uma força sem tamanho. E sempre me faz ver um pouco além das formas e simbolos concretos.. é muito difícil eu fazer apenas uma leitura de suas imagens. Como essa por exemplo. Sempre fui louca por essa fotografia e sempre a li de uma forma.. esses dias essa ideia despertou.. e fiquei com a cabeça borbulhando.. e poucos fotógrafos me deixam tão em ebulição como MCN!! Obrigada pelo comentário, apareça sempre por aqui!!🙂

  3. Chico Peixoto disse:

    “Ser gente é difícil. Sentir não é fácil. E como é sentir o nó na garganta quando se diz que homem não chora? Parece um pensamento arcaico, mas está bastante vivo e pulsando em tantos corações de pedra por aí.”

    Sem mais.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s