Diário de Bordo – Fest Foto PoA 2011

Por Val Lima

Ana Lira

A quinta edição do FestFotoPoA traz como tema A família – relações sociais, memória, cidadania. Esse é o fio condutor que propõe uma reflexão sobre as resistências culturais a partir de práticas familiares que questionam as formas de identidade em tempos de globalização.

Com uma proposta política bem definida, o festival deixa claro que lida com um conceito de família que vai além da imagem cristalizada de um casal heterossexual e seus filhos, entendendo família como um espaço de práticas sociais e culturais. E no primeiro dia do festival foi fácil perceber os espaços de convivência, memória e cidadania propostos. As questões sobre as relações humanas, familiares e afetivas, por exemplo, iam se desvelando ao longo do dia, a medida que eu ia conhecendo a família política do FestFotoPoA.

A primeira mesa foi composta por Miguel Chikaoka, Alexandre Sequeira e Jailson de Souza e trouxe questões que vão além das relações entre educação e arte contemporânea. Os relatos dos trabalhos de Sequeira, Chikaoka e Jailson mostraram uma verdadeira poética do olhar. Um olhar atento para o outro, para suas singularidades e delicadezas.

Chikaoka, o primeiro a falar, defendia uma fotografia artesanal, construída através da ludicidade, utilizando, por exemplo, as caixas pretas e as câmeras pinholes confeccionadas pelos alunos, além da necessidade de se ensinar as referências do processo fotográfico, o que vem antes de apertar o botão. Uma verdadeira pedagogia da luz.

Alexandre Sequeira apresentou dois trabalhos: Meu mundo teu e De Lapinha da Serra ao Mata Capim, emocionando a plateia com a história de um menino que acreditava em discos voadores, nos ensinando que a fábula se encontra com a realidade para quem tem olhos pra ver.

Já Jailson de Souza, do Observatório de Favelas, do Rio de Janeiro, apresentou um discurso nada paternalista sobre projetos sociais. Souza defendeu um novo projeto de ser humano, em que a cidade se apresenta como um espaço de encontro de diferenças e igualdades, numa verdadeira comunhão entre as pessoas. Para ele, a arte aplicada para “salvar” pessoas da pobreza é só mais uma afirmação do discurso utilitarista de um mundo neoliberal. Porque ensinar dança para uma menina classe media é ensinar o senso estético e o mesmo não acontece com uma adolescente de uma favela?

Ana Lira

A segunda mesa do dia trouxe ao debate os caminhos da fotografia como produto cultural. Helouise Costa, do Mac/USP, apresentou um panorama histórico da entrada da fotografia nos museus e de como essa ação legitimou a linguagem fotográfica. Helouise mostrou que, no início, esse processo girava em torno do fotoclublismo e do fotojornalismo, seguindo para uma desconstrução objetual da fotografia, comprovando que as apropriações de fotografias realizadas hoje por artistas plásticos nada possuem de novo.

Fernanda Feitosa, empresária idealizadora da SP Arte Foto, nos falou sobre os números ainda incipientes do mercado de arte no Brasil e de como a fotografia vem ganhando espaço nesse nicho. Fernanda também defendeu a profissionalização do artista e a necessidade de uma educação visual para que as pessoas possam compreender, acompanhar ecomprar uma produção artística que ainda é represada em nosso pais.

Iatã Canabrava, terceiro convidado da mesa, apresentou a Rede dos Produtores Culturais de  Fotografia e forneceu números que comprovam que quando se fala em fotografia hoje se fala de comunicação de massa. Com dados de uma pesquisa realizada dentro da própria rede, Canabrava mostrou um panorama da produção fotográfica no país.

Uma outra presença marcante no dia foi Lélia Salgado, da Amazonas Images. Com extrema simplicidade e simpatia, Lélia apresentou as publicações Terra e Exodus, de Sebastião Salgado, e os desdobramentos sociais dos projetos como a renda revertida para o MST e o reflorestamento de uma área de Mata Atlântica em Minas Gerais. Em seguida, a portuguesa Tereza Tiza trouxe um panorama histórico do fotojornalismo português e de como a ditadura em Portugal influenciou no trabalho dos fotógrafos no pais.

Ana Lira

E para encerrar, o dia fechou com uma mesa composta por Pedro Vasquez, Rubens Fernandes Junior e Cristiano Mascaro, numa grande celebração de amizade e do trabalho de Luiz Carlos Felizardo, homenageado do festival. A mim, pareceu que a escolha de Felizardo representa o espírito do festival. Os três palestrantes falaram da delicadeza, coragem, paixão e rigor de Felizardo. E com todo seu bom humor, Mascaro falou de uma certa inveja e da vontade que sentiu de sair fotografando ao ver a exposição do homenageado.

E foi assim que voltei para o hotel, com vontade de fotografar, cheia de paixão, com a alma leve e o coração pulsando. Acreditando que um mundo mais generoso é possível e que a fotografia pode sim nos fazer ser humanos mais livres.

Evoé!

Anúncios
Esse post foi publicado em Diário de Bordo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Diário de Bordo – Fest Foto PoA 2011

  1. Que delícia Val! Adoraria estar vendo e ouvindo tudo isso de pertinho, mas como não é possível, sinto-me presenteada com o teu relato, mata um pouquinho dessa vontade louca de estar aí com vocês e poder acompanhar este liiiindo festival.
    Fui ao FestFotoPOA no ano passado e também me encantei e voltei renovada. É um exemplo de muita vontade, garra, coragem e amor a fotografia. A equipe do FestFoto merece sempre os parabéns (especialmente Carlos Carvalho, idealizador dessa história toda), a cada ano nos surpreendem com uma programação atraente, diversificada, atual, coerente com a proposta do evento e também muito delicada, afetuosa, responsável conosco (os fotógrafos) e com o mundo que insistimos em fotografar e desvendar. Termino aqui, ansiosa pelos próximos posts!

  2. Pingback: Fest Foto Poa 2011 | RETRATOGRAFIA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s