O 7 mudou de endereço

Para acessar nosso site atual visite www.7fotografia.com.br.

Todo o conteúdo foi migrado para este novo endereço. Esperamos que vocês apreciem a mudança.

Nota | Publicado em por

Mesa7 2013

Clique no cartaz abaixo para acessar as informações completas da Mesa7 2013.

mesa7

Publicado em Agenda, Especial | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Workshop Mesa7 2013 – A Fotografia no Limite da Fotografia, por Fernando Schmitt (RS)

A Fotografia no Limite da Fotografia

Introdução
A Fotografia no Limite do Fotografia é um workshop que visa o estudo, a pesquisa e a prática experimental da fotografia com o objetivo de explorar os seus limites atuais em diferentes frentes. O orientador atua ora como provocador, propondo temas relevantes e repertórios pertinentes, ora como orientador de pesquisa, indicando caminhos, métodos e bibliografia ou ainda como condutor de processo criativo, acompanhando as etapas de desdobramento de uma ideia em um projeto que possa se materializar como experiência.

Programa
Repertório e história – pensar os limites
A fotografia é uma técnica
A fotografia é uma linguagem
A fotografia não é mais fotografia
A fotografia não é mais só

Projetar a fotografia possível – empurrar os limites
Domar o aparelho
Produzir sentido
Saciar o desejo da imaginação
Trafegar no excesso

Orientador
Fernando Schmitt é fotógrafo e professor do ensino superior. Natural de Porto Alegre, está radicado em São Paulo desde o início de 2010. Graduado em jornalismo pela UFRGS em 1994 e Mestre em Comunicação pela PUCRS em 1999. Ensina fotografia desde 1995 e trabalhou na Faculdade Panamericana de Arte e Design/SP, UNISINOS, PUCRS, UFRGS e ESPM-RS.

Sua Instalação Sobre Vagalumes e Alvenarias fez parte da programação da IV Mostra São Paulo de Fotografia, 2013. Teve seu trabalho selecionado no III Prémio Diário Contemporâneo de Fotografia – Memórias da Imagem, Belém do Pará, 2012. Participou do VII Paraty em Foco em 2011 com a instalação Coisas Vazias e mostrou o trabalho 17 Dinheiros no IV Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre em 2010.

Foi curador nas exposições Fábulas Contínuas de Leo Caobelli e Diego Vidart, trabalho contemplado com o Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia 2012, e Cultivar o Jardim de Ana Rodrigues. Exposição integrante do FotoRio 2013. Centro Municipal de Arte Helio Oiticica, Rio de Janeiro, a inaugurar em agosto de 2013. É membro do Conselho Curador do Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre – FestFotoPoA desde 2012. Faz parte do grupo de fotógrafos gaúchos Baita Profissional. Possui trabalhos nas coleções e acervos particulares do Museu de Arte Contemporânea RS, Joaquim Paiva, Rubens Fernandes Jr. e Orlando Azevedo.

-

Confira também:
Convocatória para Leitura de Portfólio Mesa7 2013
Convocatória para Projeção Mesa7 2013

Publicado em Agenda, Especial | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Podia ficar olhando pra sempre Candomblé, de José Medeiros

Candomblé | Foto José Medeiros

Candomblé | Foto José Medeiros

 

Na última quarta-feira foi o dia da Consciência Negra e nada mais pertinente para olhando pra sempre de hoje do que falar sobre o Candomblé.

Ainda ontem, assistindo um programa na televisão, ouvi uma escritora falar de uma lei dos tempos do império que dizia sobre os negros da província. Caso eles quisessem exercer uma função de destaque na sociedade, era necessário pedir uma dispensa pela falta da cor, ou seja, pedir ao imperador uma declaração que os permitisse trabalhar em alguma função importante apesar de serem negros.

Aceitar que vivemos numa sociedade racista é muito indigesto.

Por isso,  falar sobre o ministro Joaquim Barbosa também se faz importante. Não é meu objetivo aqui polemizar sobre o caráter dele, mas gostaria de chamar a atenção que o fato dele ser negro aparece antes de qualquer coisa, ora como um exemplo, ora como insolência, porque ainda hoje, as entrelinhas nos falam da audácia dos negros em “serem gente”.

Trago todas essas questões primeiro por ser negra, e sonhar com o dia em que as pessoas não serão separadas por raça, e depois porque a foto de hoje fez parte de um trabalho cheio de polêmica.

Em 1951, a revista O Cruzeiro publicou uma reportagem intitulada As noivas dos deuses sanguinários, em resposta a uma outra matéria da Paris Match cujo título era Les Possédées de Bahia, ambas sobre a religião de matriz africana no estado baiano.

Segundo o livro Candomblé, publicado pelo IMS, a reportagem francesa foi sensacionalista e preconceituosa, despertando forte reação entre alguns estudiosos do Candomblé, enquanto a da revista brasileira foi um sucesso de público, mesmo provocando reações adversas entre os estudiosos da religião.

Não vou aqui me aprofundar nessas questões, para quem quiser saber mais há um livro chamado Imagens do Sagrado, de Fernando de Tacca, que fala sobre essa querela.

Quero dizer das minhas impressões, de mulher negra e curiosa sobre o povo de santo. Enquanto via o livro do IMS, que são as imagens feitas por José Medeiros para O Cruzeiro, fiquei me perguntando onde está a voz do povo dos terreiros? Onde está a voz do povo negro? Tive a sensação muito clara de que o livro foi feito por brancos e para brancos.

Se você nunca viveu na pele o racismo, faça uma pausa agora e leia o texto de Luh de Souza e Francisco Antero publicado no site Pragmatismo Político.

Fiquei me perguntando porque usar apenas a autoridade de um branco, o francês Roger Bastide, grande pesquisador do Candomblé, para falar sobre a polêmica gerada pelas as fotos sobre os rituais de  iniciação? Por que falar apenas das sanções sofridas pelo terreiro, pela mãe de santo e pelas moças iniciadas?

Mas por hora, deixemos as polêmicas de lado e olhemos para as fotografias.

As fotos de Medeiros falam por si e para mim elas dão voz a uma tradição, a uma raça, a um povo, a uma religião. Falam de rituais, de escolhas, de amor, de sangue, dos deuses que honram os humanos ao habitar seus corpos. Falam de uma maneira de celebrar a vida através da dança, da música, das comidas, das folhas e da oração. Falam também do racismo, do preconceito para com as religiões de matriz africana, da escravidão (e aqui não posso deixar de pensar nas pessoas que se comovem mais com o holocausto do que com o genocídio sofrido pelos negros durante o período de escravidão).

Por tudo isso, posso olhar para sempre para todas as imagens desse trabalho e entender o quanto a fotografia pode ser usada da forma que as pessoas acharem mais adequada.

Àse!

 

Publicado em Olhando pra sempre | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

Autografia – Juliana Leitão

Nesta semana, publicamos o Autografia da  fotojornalista, pesquisadora e professora de fotografia Juliana Leitão. Boa leitura!

O que você fotografa? 

Depois que saí do jornal, oito anos fotografando direto, dei um tempo na fotografia prática. Passei a ir atrás de conceitos, autores, textos, debates sobre fotografia, isso é o que tem me estimulado ultimamente. Então hoje fotografo minha família, meus amigos, as vezes alguns trabalhos documentais que continuo fazendo sobre pesca artesanal, para não sair totalmente da vivência prática da profissão, além de freelas que aparecem eventualmente.

Juliana Leitão

Juliana Leitão

O que você gosta de fotografar?

A atividade de fotojornalismo nos leva a tantos lugares, tantas viagens a conhecer diferentes pessoas, que é possível ter uma visão panorâmica do que a fotografia oferece e o que nos estimula.  Então, posso dizer que gosto dos grandes eventos como a festa de rua do Carnaval, gosto também da cidade, da correria, de fazer imagens como se estivesse observando o mundo acontecer, as pessoas passando de lá para cá e gosto das luzes, das águas, das chuvas e de sombrinhas. Sombrinha é algo que por motivo algum detectável me encanta, tenho fotos de todos os tipos e cores, em Recife, em São Paulo, em Manari, no Carnaval, dia de chuva e de sol…

E tenho fotografado um certo tipo de imagens: são reflexos, dias nublados, sombrinhas e outros assuntos, nada específico ou possível de colocar em alguma categoria. Acho que uma certa melancolia me atrai. Luzes que teimam em invadir a imagem também me chamam a atenção flare, shafts of light, contraluz…

Juliana Leitão

Juliana Leitão

 —

Juliana Leitão, é fotógrafa e pesquisadora  da linha de pesquisa: Mídia, Linguagens e Processos Sociopolíticos no programa de Pós Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco – com o projeto: Fotojornalismo e questões contemporâneas (2012-2016). Membro do Grupo de Pesquisa Jornalismo e Contemporaneidade e coordenadora do Bacharelado em Fotografia das Faculdades Integradas Barros Melo, Aeso Ensino Superior de Olinda. 

Publicado em Autografia | Marcado com , , , , , , , , , | 1 comentário

Convocatória para Leitura de Portfólio Mesa7 2013

O 7 está preparando com todo o carinho o próximo Mesa7, evento organizado pelo próprio coletivo em Recife, que será realizado agora em dezembro. Uma das novidades deste ano é que estaremos promovendo, dentro das atividades, uma Leitura de Portfólio. As integrantes do 7, Bella Valle, Joana Pires, Maíra Gamarra e Pri Buhr estarão fazendo as leituras, conversando, trocando ideias e construindo pensamentos e caminhos juntos com os interessados em participar dessa experiência, que antes de qualquer coisa, acreditamos que deve ser construtiva e iluminadora!

Pri Buhr

Pri Buhr

O pesquisador e professor Ronaldo Entler postou recentemente, no blog Icônica, um texto maravilhoso sobre leituras de portfólios (vale muito dar uma conferida). Nele, Entler aponta alguns caminhos que podem fazer uma leitura ser mais produtiva:

(…) assumir a leitura como intervenção num processo; dar ao artista a liberdade de levar trabalhos menos acabados – quem sabe, apenas começados, na forma de esboços, de ideias, de textos – e, em contrapartida, mais contextualizados em sua trajetória; dar ao crítico oportunidade de ter previamente informações sobre o trabalho que verá, e permitir que ele contribua mais com perguntas e referências que se assumem como provisórias, e menos com vereditos. Tudo isso pode libertar a noção de portfólio dos vícios de sua tradição. (…)

Destacamos esses caminhos porque acreditamos que uma leitura de portfólio mais aberta,  onde o que interessa é a interação entre crítico e artista e não um julgamento ou atestado, seja muito mais interessante para ambos os lados, e é isso o que pretendemos oferecer para vocês: 45 minutos de conversa e construção coletiva de pensamentos.

Assim, pensando em uma leitura de portfólio mais ampla, o interessado pode enviar trabalhos (sem quantidade mínima ou máxima de fotografias) completos ou processo de produção, como também textos, ideias, e/ou o que seja interessante para ele conversar a respeito, ouvir outras opiniões e perspectivas. O inscrito não precisa necessariamente mandar fotografias para a leitura, caso o trabalho ainda esteja em processo de concepção, basta mandar para gente um texto sobre o projeto que deseja debater.

Lembrando que cada participante terá 45 minutos para a leitura e que cabe a ele avaliar que material enviar e como melhor utilizar esse tempo.

REGULAMENTO

Esta convocatória tem por objetivo selecionar trabalhos fotográficos para leituras de portfólios que serão realizadas durante a 3ª edição do evento Mesa7, que ocorrerá em dezembro, na cidade do Recife.

  1. Os interessados deverão preencher a FICHA DE INSCRIÇÃO com todos os dados solicitados.

  2. Os interessados deverão indicar na ficha de inscrição, por ordem de preferência, numerando de 1 a 4, com quem deseja fazer a leitura de portfólio. Caso o leitor indicado como prioridade já esteja com a quantidade de leituras completas a leitura será encaminhada para o próximo leitor indicado e assim, sucessivamente.

  3. Poderão participar desta convocatória fotógrafos brasileiros e estrangeiros, que residam ou estejam na cidade de Recife/PE na data do evento.

  4. Só serão aceitos trabalhos enviados compactados em link do 4shared http://www.4shared.com/ e anexados na ficha de inscrição.

  5. As fotografias deverão ser salvas em formato JPEG, com resolução máxima de 1024 pixels no lado maior da imagem.

  6. As inscrições serão realizadas única e exclusivamente através do e-mail: setefotografia@gmail.com

  7. O ato de inscrição e envio de material consistirá automaticamente na concordância dos termos desta convocatória, o que implica a autorização do uso das imagens para divulgação em mídia impressa ou eletrônica, exclusivamente para divulgação do evento.

  8. Ao se inscrever o candidato declara a plena autoria e responsabilidade pelas imagens enviadas, responsabilizando-se assim pela obra e por eventuais reivindicações de terceiros quanto aos direitos autorais e/ou uso de imagem.

CRONOGRAMA

Inscrições: de 14 de novembro a 06 de dezembro (23h59m)

Resultado: o resultado será divulgado no blog do 7Fotografia e os selecionados serão comunicados por e-mail.

Informações: setefotografia@gmail.com

Facebook: http://www.facebook.com/setefotografia

Publicado em Agenda, Especial | Marcado com , , , , , , , , , | 2 Comentários